Gostaria de compreender quais são os principais objetivos do Ensino Fundamental 2 no Colégio Apoio do Recife? 

Como Colégio Construtivista no Recife, o Apoio mantém a atenção psicológica ao aluno desde a Educação Infantil até o fim do Ensino Fundamental. Não nos preocupamos apenas com um novo conteúdo programático, nem tão somente com as provas do Ensino Fundamental. De fato, compreendemos que o acompanhamento aos alunos durante a transição ao Ensino Fundamental 2, bem como em toda a sua trajetória, é muito importante para uma completa adaptação e para uma sólida formação ética na construção do ser humano autônomo.

 

Vamos entender as mudanças que podem mexer com nosso emocional durante a transição do 5º para o 6º ano.

Pode até parecer fácil, mas as diferenças já começam pelo contato com vários professores, um para cada disciplina; os alunos perdem aquele aconchegante e afetuoso convívio com um ou dois professores polivalentes. 

O fato de ter que lidar com a organização das matérias e um novo conteúdo programático, sabendo que a cada 50 ou 100 minutos trocam-se as apostilas, os cadernos, os professores e o assunto em si, também exige uma mudança brusca na postura e no comportamento dos estudantes, aspectos que são muito importantes, visto que promovem um salto qualitativo no desenvolvimento cognitivo a partir da experiência vivida.

Aqui no Apoio, o tempo de adaptação pode variar de acordo com cada aluno, mas geralmente permanece durante o período da primeira etapa, ou seja, os três primeiros meses da transição.

Por isso, o suporte da equipe do Serviço de Orientação Pedagógica (SOP)  do nosso Colégio no Recife é fundamental para elaborar, junto aos alunos, estratégias para adaptação como: organização da rotina, roteiros de estudo e autorregulação.

A comunicação, a linguagem e a dinâmica da sala de aula — sempre com novo conteúdo programático — são essenciais na hora da interação para envolver alunos no desenvolvimento de processos de ensino-aprendizagem. Os professores utilizam estratégias lúdicas e dinâmicas, não infantilizadas. Seguindo os preceitos de Jean Piaget, Lev Vygotsky e Henry Wallon, nossa equipe tem a clareza de estar trabalhando com a fase final da infância e a introdução à pré-adolescência, quando  começam as alterações físicas, comportamentais e emocionais (biopsicossociais) na vida dos alunos.

 

Mas de que modo é realizado o acolhimento psicológico dos alunos e familiares no Ensino Fundamental 2?

Na década de 1990, Luciano Meira, professor da Universidade Federal do Pernambuco (UFPE) e cofundador da Joy Street, foi um dos "pais fundadores" do Ensino Fundamental 2 do nosso Colégio no Recife. Em depoimento, ele comenta:

"Boas escolas são fundamentalmente construídas sobre dois pilares: o design institucional, que promove experiências significativas de aprendizagem, e o acolhimento, que arquiteta o relacionamento afetivo entre professores e estudantes."

Fundamentado exatamente nesse propósito e por sermos um Colégio Construtivista no Recife, nosso setor de Psicologia desenvolve ações que visam ao convívio social harmonioso, ao investir em ações educativas para favorecer a construção da autonomia moral do aluno e a formação de valores pessoais e sociais, dando a eles a oportunidade de absorção de conteúdos atitudinais que permitam cada aluno ou aluna se posicionar no mundo em vivem, para transformar a realidade em função do bem comum.

No Colégio Apoio, a escola precisa ser um ambiente que priorize as relações interpessoais pautadas no respeito mútuo, na expressão dos sentimentos e no diálogo, visando sempre ao bem-estar pessoal e coletivo da comunidade escolar, ou seja, alunos, educadores e famílias, sendo essa última parte fundamental do nosso processo educativo.

 

Acolher os familiares é proporcionar uma parceria que solidifica o desenvolvimento do aluno.

Nossa equipe recebe os familiares em atendimentos com trocas de dinâmica escolar, orientações específicas e dificuldades pedagógicas. A partir da troca de informações e das observações realizadas no ambiente escolar é que buscamos a parceria necessária ao crescimento do aluno, com intervenções que se destinam ao seu desenvolvimento nos contextos socioemocional e/ou educacional.

Esse diálogo e essa troca construtiva, em colaboração com os familiares, são de extrema relevância para consolidar a aprendizagem e as formações pessoal e social dos nossos alunos.

 

Acompanhamento integral ao aluno para construir um ser humano completo e não complexo.

A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) define o conjunto orgânico e progressivo de aprendizagens essenciais que todos os alunos devem desenvolver ao longo das etapas da Educação Básica, o qual abrange: conhecimento; pensamento científico, criativo e crítico; repertório cultural; comunicação; cultura digital; trabalho e projeto de vida; argumentação; autoconhecimento; autocuidado; empatia e cooperação; responsabilidade e cidadania.

Nesse aspecto, nossa equipe tem uma perspectiva integrada e voltada às demandas socioemocionais e pedagógicas, atua com prevenção e intervenção para adaptação, relacionamento interpessoal e autonomia; responsabilidade e organização; participação e interesse; disciplina e desempenho escolar.

Por isso, junto aos alunos, realizamos orientações e desenvolvemos estratégias para a plena adaptação entre o Ensino Fundamental e o Ensino Fundamental 2, com organização da rotina, roteiros de estudo, resoluções de conflitos, tomada de decisões e autoconhecimento.

Essas ações são realizadas nos atendimentos individuais e com os familiares, nas intervenções em salas de aula com a turma e durante as aulas de Formação Pessoal e Social por meio de reflexões que são construídas a partir das situações cotidianas da escola, indo muito além das atividades sistemáticas de avaliação, entre elas, as provas do Ensino Fundamental.

Vale destacar ainda que nossa atuação excede a intervenção da Psicologia Escolar, principalmente em situações que requeiram um acompanhamento terapêutico clínico; nesses casos, encaminhamos os atendimentos a profissionais externos, que atuam fora do ambiente escolar, sempre objetivando trocas que favoreçam o pleno desenvolvimento dos alunos.


Corpo docente em constante acompanhamento e aprimoramento.

Sem dúvida, o corpo de professores é uma parte importantíssima do nosso Colégio no Recife, ocupando um espaço relevante na atuação do nosso Serviço de Orientação Psicopegagógica (SOP). Possuímos atendimentos sistemáticos com o objetivo de acolher os estudantes e coletarmos informações para o desenvolvimento de estratégias psicopedagógicas personalizadas, o compartilhamento das dinâmicas dos alunos/familiares, a discussão de materiais formativos da instituição, entre outros.

Por ser um Colégio Construtivista no Recife, o Apoio considera que a aprendizagem e o desenvolvimento são processos evolutivos na ontogenética e filogeneticamente, de forma ativa, e cada aluno deve ser protagonista na organização dos seus conhecimentos e na construção da sua identidade.

Nesse contexto, acreditamos na perspectiva de Zygmunt Bauman (2001), o qual, entre outras coisas, ressalta que:

"Em um mundo globalizado, as identidades tornam-se híbridas e deslocadas de um vínculo apenas nas proximidades físicas. O mundo plural e veloz produz acesso aos vínculos afetivos locais e virtuais, com diversidade de concepções e ideais." 

Diante desse desafio no contexto da formação e entendendo que a educação é um processo que envolve corresponsabilidades, o Colégio Apoio investe na construção compartilhada entre os educadores: equipe multiprofissional e famílias construtivas na formação da identidade pessoal das crianças do Ensino Fundamental 1 e dos adolescentes do Ensino Fundamental 2, com foco nos autoconhecimentos emocional, moral e intelectual, que são as bases sólidas para a formação de seres humanos cada vez mais capazes de alcançar o sucesso.

Vejam um bom exemplo disso neste depoimento de nossa ex-aluna Ana Maria Maia Antunes, que hoje é jornalista, doutora em História e curadora da Pinacoteca de São Paulo:

"Estudei no Apoio entre 1988 e 1998, fui da primeira oitava série do Colégio. Foram anos de educação integral nos quais, mais do que programas de conteúdos, vivenciei uma ética; mais do que uma assimilação passiva, fui instigada a me colocar de maneira crítica e sensível diante do conhecimento, das pessoas e do mundo. Que privilégio ter crescido nesse ambiente em tempos em que a educação já era crescentemente pressionada pela competitividade; onde, ao invés de parâmetros externos, o Apoio praticou o respeito e o acolhimento das medidas (de tempo, sucesso, satisfação, propósito…) de cada um! Hoje sou curadora da Pinacoteca de São Paulo, depois de ter feito graduação em Jornalismo na UFPE, mestrado e doutorado já em História da Arte (Santa Marcelina e USP). A arte, a educação e a revisão de narrativas hegemônicas são uma constante no meu trabalho. Por isso, posso dizer que uma parte importante do que hoje me move foi plantada no olho no olho, no boletim sem notas, no prolongamento da sala para outros espaços de convivência e criação, no afeto que permeava isso tudo e muito mais durante minha história no Colégio Apoio”.

A planejar a educação com esse foco, onde a convivência é componente curricular das formações pessoal e social, nosso Colégio no Recife investe em um amplo currículo e em projetos interdisciplinares que extrapolam a sala de aula. Prioriza a atenção à diversidade de capacidades, interesses e motivações dos alunos. Considera como ponto de partida à aprendizagem suas experiências anteriores e atuais e suas formas próprias de sentir, pensar e agir sobre o mundo. (Missão do Colégio Apoio – Projeto Político Pedagógico).

Agora que você já descobriu mais sobre a importância do apoio psicológico não só para a transição para o Ensino Fundamental 2, mas também para todo o processo de aprendizagem dos nossos alunos, que tal se inscrever em nosso news e aproveitar o conteúdo educacional da nossa proposta pedagógica por completo?

Será um prazer receber você!